30/11/2019

Workshop Constelação

Constelações Sistêmicas Familiares são experiências terapêuticas baseadas nos estudos de Bert Hellinger. Ficou popularmente conhecida como CONSTELAÇÃO.

26/10/2019

Workshop Constelação

Constelações Sistêmicas Familiares são experiências terapêuticas baseadas nos estudos de Bert Hellinger. Ficou popularmente conhecida como CONSTELAÇÃO.

+

20/09/2019

Noite de Autógrafos

Lançamento do Livro Pessoas e Bem Estar. Ariane Totti é co-autora com o capítulo: Linha na Pipa – o modelo psico-sócio-educacional brasileiro para se soltar no inglês.

Entrada Franca.
Local: Blooks Livraria SP -Rua Frei Caneca, 569, 3.0 Andar. Shopping Frei Caneca
Horário: 19h às 22hs
Venda de livros no local.

Inscrições até
21/09/2019

Workshop Constelação

Constelações Sistêmicas Familiares são experiências terapêuticas baseadas nos estudos de Bert Hellinger. Ficou popularmente conhecida como CONSTELAÇÃO.

+

Próximos eventos

Confira os próximos voos

Venha conhecer o ninho

AV. PRESIDENTE KENNEDY, 3.500 CJ 1415 – SÃO CAETANO DO SUL – SP

Categoria

Linha na Pipa

Data

21/08/2019

Imagem - Exclusões corporativas – I don´t speak English!

Exclusões corporativas – I don´t speak English!

Será que a questão da inclusão diz respeito somente às limitações físicas? Se respondermos que “sim”, considero que temos no mínimo uma deficiência visual e as lentes ou tratamentos que precisamos não são encontrados com os especialistas em oftalmologia.

Sei que é um jargão, mas a pessoa excluída se sente like a fish out of water. Há uma “miopia social” que no ambiente corporativo pode aparecer, sutilmente ou não. O fato é que o cenário pode variar, mas a cena se repete:

Cena 1: Reunião técnica ou visita na qual a pessoa que mais entende do assunto não é convidada. Motivo explícito: o inglês dele “não é bom” e isso pode trazer um constrangimento junto aos visitantes do exterior. Motivo implícito: nunca houve um plano de desenvolvimento específico para o gap deste técnico, tampouco feedback assertivo sobre a questão do idioma.

Cena 2: Treinamento corporativo em que o RH precisa fazer “mil e um malabarismos” para que haja quórum. Motivo explícito: há muitas atividades, muitas reuniões e ninguém quer participar porque tem coisas mais importantes a fazer. Motivo implícito: somente as pessoas que se sentem à vontade para interagir, ou seja, se apresentar, perguntar e ser questionada, tem “coragem” de se expor, caso seja em outro idioma (mesmo que isto não seja uma certeza);

Cena 3: Assessment Center ou entrevista

Motivo explícito: bons candidatos à posição não falam o idioma inglês; Motivo implícito: por mais que já tenha feito vários cursos, consiga se expressar em sala de aula, estude sempre que possível, filmes com legenda em inglês, etc , bate uma insegurança, um bloqueio. Fala, mas não fala.

Nessas cenas, temos pelo menos dois lados que podemos entender de diferentes maneiras:

a) O lado da pessoa excluída.

b) O lado da empresa, ou melhor, o das outras pessoas envolvidas na situação.

Vamos analisar por partes:

Na Cena 1, a pessoa excluída pode até achar bom não ter que acompanhar “os gringos” ou a empresa encontra outras maneiras de suprir este problema. A questão é: até quando os lados A e B vão levar essa situação? Quem está correndo mais riscos? Estes riscos foram discutidos entre as partes?

Na Cena 2, na qual o motivo implícito talvez seja negado e o explícito não deixa de ser verdadeiro, o questionamento é maior e o problema também. Trata-se de um círculo vicioso: as pessoas se auto-excluem – fogem até o último instante –, o RH quer convidar mas acaba convocando – as pessoas comparecem, mas não participam – as pessoas se auto-excluem. As relações de poder não mudam e todos reclamam, mas no fórum errado.

Já na Cena 3, a empresa encontra alguém mas a pessoa perde a oportunidade e às vezes, boa parte de sua autoestima.

Quando falamos em inclusão, talvez algumas pessoas se sintam alvo do tema. E quando a palavra for exclusão?

Qual a liberdade de escolha que temos para nos desenvolver? Queremos mudança, creio. Para isso, temos que mudar. Desculpe, outro jargão.

Podemos entender que há falta de oportunidade e desenvolvimento está diretamente ligado a isto. Verdade.

Se você se identificou com pelo menos uma dessas cenas, agende uma consulta deixando seu contato e assunto.

Texto: Ariane Couto Totti
Original publicado no LinkedIn em 04/09/2017